Enfim, a primeira lambic!

Antes que algum mala venha dizer que não existe lambic fora da Bélgica, quero deixar claro que eu sou um cervejeiro caseiro e que denominações de origem são convenções comerciais, portanto, não se aplicam a mim. Uma lambic caseira é tão autêntica quanto qualquer outro estilo produzido fora da sua região de origem, mesmo que os ingredientes ou métodos de produção não sejam 100% fiéis aos originais. Eu também não compro a denominação pLambic (pseudo-Lambic) que alguns homebrewers usam. Se eu fizer uma Weizen e usar açúcar de priming para refermentação na garrafa, ainda assim será uma Weizen – e não uma pWeizen – mesmo que no seu país de origem o uso de açúcar não seja admitido.

Claro que, comercialmente, a conversa é outra. As denominações de origem controlada são um meio importante de manter tradições locais e evitar casos como o da Pilsen, cuja denominação foi totalmente subvertida e hoje está associada a cervejas que pouco lembram as tradicionais lagers tchecas.

Lambics são cervejas cercadas de mistérios e mitos. Na minha opinião, atribui-se uma importância exagerada à microflora do ar de Bruxelas. Muitos textos dão a entender que esses são os únicos microorganismos responsáveis pela fermentação das lambics. Raramente fala-se da microflora que habita os barris de madeira. Esses barris normalmente são provenientes de vinícolas, quando já não servem mais para envelhecer vinho. Portanto, o ar de Bruxelas não é a única origem das leveduras e bactérias que fermentam as lambics.

Veja mais em http://cervejadeapartamento.com/2014/02/05/enfim-a-primeira-lambic/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *